Confederao Brasileira de Automobilismo

Fia Fia

  • 25
  • NOVEMBRO / 2018
    Fórmula 1
    Abu Dhabi
  • 25
  • NOVEMBRO / 2018
    Codasur Rally Sulamericano
    Uruguai
  • 25
  • NOVEMBRO / 2018
    Porsche Carrera Cup e GT3 Cup Challenge Brasil 2018 (Endurance)
    São Paulo - Endurance
  • 25
  • NOVEMBRO / 2018
    Mitsubishi Cup
    VeloCittá
  • 25
  • NOVEMBRO / 2018
    Copa Brasil de Autocross
    Cuiaba
  • 25
  • NOVEMBRO / 2018
    Brasileiro de Marcas e Pilotos
    Cuiaba
  • 25
  • NOVEMBRO / 2018
    Brasileiro de Autocross
    Cuiabá



Noticias

07/02/2016
Di Grassi mantém vice-liderança da Fórmula E

Piloto da ABT Audi Sport foi o terceiro no ePrix de Buenos Aires, e segue como único piloto a sempre estar entre os três primeiros em todas as corridas

Lucas di Grassi chegou a flertar com a vitória no ePrix de Buenos Aires da Fórmula E, realizado neste sábado (6). O piloto da ABT Schaeffler Audi Sport esteve muito próximo de Sam Bird na segunda metade da prova, mas não conseguiu a ultrapassagem. Pior, o brasileiro acabou superado por Sébastien Buemi e teve de se contentar com a terceira posição ao final das 35 voltas.

Mais sobre Fórmula E:
Bruno Senna fatura décimo lugar na Argentina
Safety Car derruba estratégia de Nelsinho Piquet

Largando da sétima colocação, Di Grassi avançou até a terceira colocação no momento da rodada de paradas nos boxes. Neste momento, o brasileiro enfrentou uma situação curiosa: precisou empurrar o carro de Nicolas Prost, que sem bateria, ficou parado no pit lane, impedindo sua troca de carros involuntariamente.

“Larguei em sétimo, em uma classificação que não foi muito boa. A corrida, no entanto, estava indo muito bem. Passei para sexto, quinto, quarto e terceiro antes do pit stop, e na entrada o Nico (Prost, que estava à frente de Lucas) já tinha consumido toda a bateria e o carro dele apagou no pit lane”, descreveu Di Grassi.

“Eu tive meio que empurrá-lo porque eu precisava entrar no meu box para fazer a troca. Além disso, existe uma velocidade mínima dentro dos pits que é de 45 km/h, então foi uma situação meio bizarra porque eu não podia andar abaixo de 45 e ele diminuía mais e mais a velocidade e eu não tive outra alternativa a não ser dar uns toques para empurrá-lo adiante”, explicou.

A entrada do Safety Car para retirar o carro de Antonio Félix da Costa atrapalhou a estratégia de corrida de Di Grassi, mesmo ocupando a segunda colocação. Se por um lado, ele se aproximou de vez de Bird, por outro viu Sébastien Buemi se aproximar, conseguindo a ultrapassagem algumas voltas mais tarde.

“O Safety Car depois atrapalhou a nossa estratégia - acho que sem essa entrada a nossa chance de vencer a corrida era bem maior - porque estávamos dez segundos à frente do Buemi e a entrada do carro de segurança neutralizou essa diferença. Tentei atacar o Sam (Bird, líder da prova) o máximo que pude por três ou quatro voltas, usei a energia; aí perdi o ‘momentum’ e o Sébastien estava ali, não tive muito o que fazer: tentei defender, ele passou e fiquei em terceiro”, disse.

Apesar de ser o único piloto do grid da Fórmula E que completou as quatro corridas do ano entre os três melhores, Di Grassi viu Buemi aumentar sua vantagem na liderança do campeonato. O suíço agora tem 80 pontos, contra 76 do piloto da ABT Schaeffler Audi Sport. Especialmente em Buenos Aires, Lucas não gostou do desempenho de seu carro.

“Não acho que nosso carro estava tão bom aqui. Esta foi a nossa pior corrida até agora em termos de ritmo; o qualifying não foi legal e na corrida eu tive que usar mais energia que o normal e por isso tive que economizar bastante no final. A Renault está um grande passo à frente da concorrência, e se quisermos brigar pelo campeonato vamos ter de trabalhar mais duro ainda”, completou.

A próxima etapa da Fórmula E acontece no dia seis de março, com a disputa do ePrix da Cidade do México, que será realizado no Autódromo Hermanos Rodríguez.

Foto: Fórmula E